Tag: Ultimate Figther Championship

Incidente de Conor McGregor faz ser excluídas três lutas do UFC 223

Conor McGregor alerta sobre o Coronavírus

O irlandês Conor McGregor usou suas redes sociais para alertar a população irlandesa da importância de manter-se firma na quarentena. Foi hoje (21), que o lutador do UFC usou suas redes sociais para se manifestar sobre a pandemia que amedronta o planeta.

Já são mais de dez mil mortos pelo mundo causado pelo virus COVID-19 e, ter pessoas públicas reforçando as recomendações da Organização Mundial da Saúde é de grande importância.

Ouça nosso podcast: Spotify | Deezer | Itunes

Leia também:

Paulo Borrachinha debocha do Coronavírus

MMA x Coronavírus: últimas atualizações

Mensagem de Conor McGregor

– “Lembrete rápido para permanecer vigilante com nosso esforço da quarentena, equipe da Irlanda!

Vimos uma queda nos últimos 3 dias no número de infectados. De 191 casos na quinta-feira, 19 de março (nosso dia mais pesado até o momento) até uma leve diminuição de 126 no dia seguinte, sexta-feira 20 de março. Até hoje, sábado, 21 de março, um número total de 102 novos casos.
Estas são gotas encorajadoras a cada dia que passamos, ainda estamos acima de 100 por dia.

Como hoje é sábado e o pico de nosso fim de semana, mais o fato de termos recebido números mais baixos a cada dia, todos nos sentiremos tentados a sair e voltar a viver nossas vidas novamente. Mas agora é a hora de permanecermos mais vigilantes! Permaneça mais vigilante e coloque-se totalmente na cama. Caso contrário, corremos o risco de girar em círculos com esses números até atingirem um pico que não podemos conter.

Fique firme na Irlanda! Nós vamos fazer isso! Juntos em unidade!
Deus acelere a todos ao redor do mundo lutando contra esse vírus. Lutamos lado a lado!  O trabalho em equipe faz o sonho funcionar, Deus abençoe!” – Escreveu o lutador Conor McGregor em suas redes sociais.

Conor não tem nenhuma luta marcada até o presente momento. Sua última luta foi em Janeiro, no evento de número 246, onde venceu por nocaute Donald Cerrone.

lutadores são demitidos do UFC

13 lutadores são demitidos do UFC

Em época de paralisações de atividades, cancelamento de eventos e preocupação com a pandemia do COVID-19 o RH (recursos humanos) do Ultimate trabalha a todo vapor e 13 lutadores são demitidos do UFC.

Dentre os 13 lutadores que foram demitidos do UFC, constam o nome de três brasileiros. Vale lembrar que recentemente o UFC já demitiu oito lutadores do seu plantel de funcionários e agora essa nova lista chega ainda maior.

Ouça nosso podcast: Spotify | Deezer | Itunes
Leia também:

– Confira todos os salários do UFC 247

– Conheça os materiais do cinturão do UFC

Nenhum nome de muita expressão esteve na lista dos 13 demitidos do Ultimate. Entre os brasileiros está a Isabela de Padua, que só lutou uma vez pela organização e está suspensa por dois anos por ter sido flagrada no doping. Os outros dois são Marcos Mariano, que lutou duas vezes no Ultimate e perdeu as duas, e Talita Bernardo que tem três derrotas em quatro lutas pela organização.

Lista completa dos lutadores demitidos do UFC

Isabela de Padua 

Marcos Mariano 

Talita Bernardo 

– Chance Rencountre

– Cyril Asker 

– Dong Hyun Ma 

– Jodie Esquibel

– Khalid Murtazaliev 

– Kyle Prepolec 

– Mairbek Taisumov 

– Matthew Lopez 

– Tonya Evinger 

– Zhenhong Lu 

Alex Cowboy vence no UFC 248

UFC 248: Alex Cowboy vence Max Griffin

Em um duelo de veteranos na corda bamba, Alex Cowboy e Max Griffin fizeram a abertura do card principal do UFC 248, mais um evento histórico na T-Mobile Arena em Nevada – USA, com direito a duas disputas de cinturão.

Ouça nosso podcast: Spotify | Deezer | Itunes
Leia também:

– Confira todos os salários do UFC 247

– Conheça os materiais do cinturão do UFC

O combate começou estudado, com os atletas buscando a distância ideal e se tocando aos poucos. A guarda baixa do brasileiro, permitiam que Alex Cowboy fosse golpeado no frontal com mais frequência. Após o soco de encontro incomodar, o atleta nacional agarrou, a luta acabou indo para o solo e este ficou por baixo. Trabalhando por cima, o Max Griffin grudou o seu adversário de costa no chão e golpeava para abrir espaço para finalização, mas não conseguiu. Nos últimos segundos o Alex Cowboy conseguiu voltar de pé, tentou uma finalização no braço mas não havia tempo para mais nada e o americano levou o primeiro assalto.

Para o segundo round, Alex Cowboy voltou mais agressivo, e tentou quedar mas foi frustrado. A luta chegou a ser interrompida por um sangramento na testa do Griffin, aberto por um duro gancho disferido pelo brasileiro. A luta seguiu frenética com o brasileiro abrindo vantagem na trocação e garantindo o empate da luta até então.

Para o terceiro, último e decisivo round voltou mais pegada e o Max Griffin apostou logo suas fichas numa tentativa de queda, mas foi frustrado e Alex Cowboy foi quem acabou quedando e conseguindo a montada, mas acabou perdendo a posição. O cenário agora era exatamente o oposto, com Griffin por cima tentando trabalhar os golpes de cima para baixo e o brasileiro tentando a todo custo amarrar seu adversário. O terceiro round chegou ao fim e a luta poderia ser dado a qualquer um dos atletas.

Na soma das papeletas dos árbitros laterais, foi decretada a vitória de Alex Cowboy por decisão dividida.

Carreiras de Alex Cowboy e Max Griffin

O brasileiro de 32 anos têm 31 combates como atleta de MMA profissional, estando dentro do UFC desde o ano de 2015. Atualmente encerrou sua sequência de 3 derrotas consecutivas. Têm no total 20 vitórias, 8 derrotas, 1 empate e 2 ‘no contest’.

O americano de 34 anos de idade têm 23 combates como atleta de MMA profissional, estando dentro do UFC desde o ano de 2016. atualmente vem de derrota e tem só uma vitória das suas últimas quatro lutas. Têm ainda 15 vitórias em seu cartel e 8 derrotas.

[VÍDEO] O polêmico acordo entre o UFC e a Reebok

Desde os primórdios do UFC, os lutadores enchiam suas camisas, calções e banner’s com várias logos de empresas dos mais variados ramos. Era um jeito de fazer uma boa renda extra, faturamento que poderia superar até mesmo a bolsa paga pelo Ultimate, mas isso mudou em 2015, quando foi assinado o polêmico acordo entre o UFC e a Reebok causando protestos e represálias nos bastidores da maior organização de MMA do mundo.

Quando mais badalado o atleta, mais empresas eram estampadas em seus trajes de luta. Muito dinheiro deixou de ser ganhado por lutadores, pelo fato destes agora serem obrigados a usarem apenas os produtos da Reebok, que pega uma quantia simbólica, perto do faturamento anterior dos atletas.

Quanto a Reebok pagou ao UFC para essa exclusividade, não foi divulgado. Porém o pagamento da empresa aos atletas foi divulgado e funciona como uma espécie de tabela. Quanto mais lutas se tem dentro da organização, mais se recebe e o desafiante e o campeão recebem adicionais, sendo o teto desse pagamento, a quantia de quarenta mil dólares, o que é ainda, menos da metade do que alguns lutadores conseguiam.

Quem tem entre uma e três lutas, recebe U$3.500. Quem tem entre quatro e dez lutas, fatura U$S 5.000. Os que tem entre 11 e 15 combates, recebem US$ 10.000. Já os atletas que atuaram entre 16 e 20 vezes no UFC, recebem US$ 15.000. Os com 21 lutas ou mais, recebem US$ 20.000. Os campeões e seus desafiantes recebem US$ 40.000 e US$ 30.000, respectivamente.

Esse pagamento ainda traz exigências: Quatro dias de promoções de mídia antecipadas; Seis horas de promoção na semana de luta e; uma hora de promoção após a luta. Além disso, os atletas que fizerem a luta principal ou a co-principal deverá permitir filmagens do UFC oito dias antes dos combates.

O Ultimate ainda pode cobrar dois dias de publicidade com oito horas cada, desses lutadores individualmente. Com isso, todos os atletas e equipes estariam uniformizados. Tudo dentro do padrão e estampando somente a marca da Reebok.

Isso atingiu também os patrocinadores que tinham suas marcas expostas nos octógonos e outros funcionários da empresa que não poderiam mais estampar seus patrocinadores nos eventos do UFC.

Explicação sobre a parceria do UFC e a Reebok

Essa uniformização obrigatória fez várias pessoas protestarem sobre o acordo entre o UFC e a Reebok, e estes sofreram represálias imediatas. Como por exemplo o Cutman, personagem lendário do Ultimate, Stitch Duran, que passou 14 anos trabalhando na organização.

Ele criticou o acordo por ser também atingindo por este em uma entrevista, uma vez que não poderia usar seu traje de trabalho com as marcas de seus patrocinadores, logo após foi demitido.

O veterano Tim Kennedy também veio a público mostrar sua indignação com o acordo. Frases como: “Onde o esporte está agora e horrível, trágico e patético” e “eu ganhei muito mais dinheiro com patrocínio no StrikeForce”, foram disparadas pelo agora, ex-lutador.

Entre os brasileiros, as declarações que mais repercutiram foi a de Vitor Belfort e de Fabrício Werdum. Na época Vítor disparou: “Alguém vai aparecer no meu uniforme e eles não vão me pagar mensalmente? É justo? Eu tenho uma carreira de 19 anos. Eu não acho que é justo”.

Mas sem dúvidas o protesto que mais gerou repercussão foi o do “Vai Cavalo”. O gaúcho editou uma foto com o uniforme da Reebok, removendo a logo da empresa e colando uma da sua concorrente por cima.

O lutador declarou que estava protestando pois não achava justo depois de vários anos de carreira, tendo chegado a ganhar cento e oitenta mil dólares de patrocínio, passar a ganhar cinco mil. Depois disso, o brasileiro foi imediatamente desligado da Fox Mexicana, emissora na qual trabalhava há 3 anos como comentarista dos eventos do UFC.

Passado esse momento turbulento, as críticas públicas tiveram fim. Seria uma satisfação ou medo de também sofrer represálias? Disso não sabemos, mas o que ninguém pode negar é que após isso, muitos atletas migraram para o Bellator, um dos principais concorrentes do UFC.

A parceria da UFC e a Reebok poderá durar por muito tempo. Qual a opinião de vocês sobre isso? É melhor as equipes uniformizadas como está ou o modelo antigo era mais legal?

Lutador é removido do UFC Brasília por Coronavírus

UFC Brasília: Coronavírus força atleta a abandonar o card

Previsto para o dia 14 de março, o UFC Brasília sofreu uma baixa do seu card em virtude da epidemia do coronavírus. Su Mudaerji teve complicações para completar o seu camp, o que inviabilizou a sua luta em solo brasileiro.

A epidemia do coronavírus fez com que o governo chinês tomar medidas drásticas para evitar ainda mais a proliferação da doença. Por isso, o Su Mudaerji não consegue mudar de região para fazer seus treinamentos e, as academias estão proibidas de abrirem, para evitar aglomerações de pessoas e colaborar com reprodução do vírus.

Ouça nosso podcast: Spotify | Deezer | Itunes

Viajar para outros países também não era uma opção fácil, tendo em vista que os países tem fechado as fronteiras aos viajantes da China, para proteção da própria população, tendo esses viajantes que ficarem em quarentena. Foi o que explicou um dos cabeças da agência que cuida do Su Mudaerji, o que impossibilitou a sua presença no card do UFC Brasília.

— Está impossível de ele se preparar para a luta porque não pode se dirigir à outra região. Ele está isolado. As academias na China estão proibidas de abrir as portas para impedir a aglomeração de gente. A ideia de ir aos Estados Unidos ficou inviável, porque não estão facilitando a entrada de chineses. A ideia de vir treinar aqui no Brasil, na Astra Fight Team, ficou inviável pois ele teria que ficar em quarentena. Ele falou que está parecendo filme de terror, área isolada, ninguém entra e ninguém sai. Falou que está parecendo filme de apocalipse.  – Declarou um dos administradores da empresa que cuida da imagem do lutador, o Marcelo Brigadeiro.

O Ultimate agiu rapidamente para suprir essa lacuna no UFC Brasília e convocou David Dvorak para enfrentar o Bruno Bulldoguinho.

UFC Brasília
CARD PRINCIPAL :
Peso-leve: Kevin Lee x Charles do Bronx
Peso-meio-médio: Demian Maia x Gilbert Durinho
Peso-meio-pesado: Johnny Walker x Nikita Krylov
Peso-leve: Renato Moicano x Damir Hadzovic
Peso-médio: Makhmud Muradov x Antônio Cara de Sapato
Peso-palha: Amanda Ribas x Randa Markos
 
CARD PRELIMINAR:
Peso-meio-médio: Elizeu Capoeira x Alexey Kunchenko
Peso-mosca: Jussier Formiga x Brandon Moreno
Peso-galo: Veronica Macedo x Bea Malecki
Peso-galo: Rani Yahya x Enrique Barzola
Peso-leve: Francisco Massaranduba x John Makdessi
Peso-mosca: Bruno Bulldoguinho x David Dvorak
Peso-mosca: Maryna Moroz x Mayra Sheetara
Jon Jones vence no UFC 247

UFC 247: Jon Jones vence Dominick Reyes

Todas as atenções estava voltada para eles. A luta principal do UFC 247 foi o duelo valendo o cinturão do  peso meio-pesado entre Jon Jones e Dominick Reyes. O Bones Jones subiu ao octógono mais famoso do mundo como franco favorito nas casas de apostas.

Ouça nosso podcast: Spotify | Deezer | Itunes

A luta começou eletrizante, com o desafiante tomando iniciativa e sendo imediatamente rechaçado por Jon Jones. Os atletas se mantinham no centro do octógono e se tocando a todo tempo. Após um golpe de encontro, Dominick conseguiu desequilibrar  Jon Jones com um soco, que rapidamente se levantou, o desafiante aproveitou para conectar bons socos e Jones respondia com duros chutes no joelho.  O último minuto foi mais estudado, com o Jon Jones caminhando mais para frente. Após um round eletrizante o desafiante levou o primeiro assalto.

O segundo assalto da luta principal do UFC 247 voltou mais cadenciado, porém ainda muito emocionante. Ao final do primeiro minuto, Dominick Reyes emplacou um blitz em Jon Jones, que aparentemente absolveu bem os golpes. O ritmo ficou mais cadenciado, Jones caminhava para frente mas sem emplacar nenhuma sequência, apenas marcando a distância até o fim de mais um round parelho e eletrizante, que Dominick venceu.

A luta seguiu com muita emoção para o terceiro round. O desafiante conseguiu conectar logo um bom chute alto na cabeça do Jones, que absolvia e contra-golpeava seu oponente. O Bones jones tentou jogar a luta no solo, mas o Dominick Reyes defendeu essa primeira investida.Nos segundos finais o campeão tentou uma joelhada voadora e novamente uma queda, mas ambos os golpes foram frustrados. Round parelho que poderia ser atribuído a qualquer deles, mas pontuamos para o Dominick.

Mais uma vez de maneira eletrizante a luta principal do UFC 247 voltou. Reyes conseguiu boa sequencia de golpes, chegando a encurralar o Jones na grade. Como única escapatória, Jon Jones conseguiu a queda, mas não conseguiu trabalhar no solo. O Dominick continuava a conectar os melhores golpes, mesmo andando para trás. A emoção seguiu até o final, com a trocação franca ditando o ritmo, ambos se tocando constantemente. O assalto foi o mais parelho até então, cabendo a qualquer deles.

Para o quinto e último round o jogo veio mais cadenciado.  Jones deu um bote nas pernas do Dominick que foi ao solo e levantou-se rapidamente. Jones veio mais contundente para esse assalto, conectando os melhores golpes, caminhando sempre pra frente. O domínio seguiu até o final, levando de maneira clara o quinto round o Jon Jones.

A luta terminou e foi para a decisão dos árbitros laterais. Na soma das papeletas o resultado final foi a vitória de Jon Jones por decisão unânime.

UFC 247 – Carreira de Jon Jones e Dominick Reyes

Aos 32 anos de idade, o tido por muitos como maior de todos os tempos do MMA, lutou profissionalmente 28 (vinte e oito) vezes. Dessas, Jon Jones saiu como vencedor em 26 (vinte e seis) oportunidades, perdeu uma vez e possuiu um ”no contest”.

Já o desafiante ao título, o americano Dominick Reyes, chegou no UFC 247 como invicto, aos 30 anos de idade, fez 13 lutas como atleta profissional de MMA, e venceu em 12 oportunidades, sendo derrotado pela primeira vez.

Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC/Zuffa LLC

Cinturão do UFC

[VÍDEO] Conheça os materiais do cinturão do UFC

O objeto de maior desejo de qualquer atleta de MMA, é o tão sonhado cinturão. Ser o detentor do cinturão de uma divisão é o auge da carreira de um lutador. É a representação que enquanto ele ostentar aquele “troféu” ele será o maior nome da sua categoria na atualidade.

O desejo de alcançar o cinturão fica cada vez maior de acordo com a notoriedade de cada organização de artes marciais mistas. Para muitos, o maior evento de MMA do mundo é o UFC, que lançou recentemente, no início de 2019, o UFC Legacy Championship Belt, que substituiu o UFC Classic Championship Belt, usado desde
2001.

O UFC Legacy Championship Belt, quando anunciado, provocou estranheza por uns, que preferiam a antiga versão. Mas é fato que esta cinta veio para ficar e para marcar uma nova era dentro das Artes Marciais.

O primeiro lutador a receber o novo cinturão foi o Henry Cejudo, após atropelar o TJ Dillashaw. Viu então, em sua cintura, o cinturão que tem vários significados e muito valor.

A final de contas, quais os materiais e os significados encontrados nesse cinturão? O Tudo Sobre MMA responde.
Vídeo detalhando os materiais do cinturão

Segundo informações divulgadas pela própria organização, o novo cinturão é customizado de acordo com cada campeão e com cada categoria. Todo cinturão tem um número de série e a assinatura do Presidente Dana White cravada, para atestar a sua autenticidade.

Além disso, suas medidas são 1 metro e 27 centímetros de comprimento e 30 centímetros de altura, trabalhado com a tira de couro legítimo. No seu centro tem um octógono em alto relevo feito de ouro altamente polido com a logo do UFC em destaque, e ainda inclui um octógono e alguns quadrados. Nesse octógono há 25 linhas, que representam os anos de existência do Ultimate até 2018 e nos quadrados há 8 linhas que representam o número de lados do octógono. Também pode-se observar oito bandeiras, elas representam as nacionalidades dois oito primeiros campeões do UFC.

Dentro do octógono central, ainda tem 25 pedras, que também representam os anos de existência da organização.
Abaixo do nome “Champion”, há cravado no cinturão em números romanos MCMXCIII (1993) , que é o ano de criação do UFC.

Nas duas laterais, também há octógonos em alto relevo, ambos de ouro e com a logo do UFC. No octógono da esquerda ainda constará o nome, categoria e país do atual campeão, sendo rodeada de 8 pedras, que terá uma pedra vermelha para cada vitória como campeão. Enquanto no Octógono da direita está a logo de campeão também rodeada de 8 pedras, onde se dará continuidade a contagem de vitórias como campeão, caso preencha todas as pedras do outro octógono.

Por último, cabe ainda destacas os botões localizados após os octógonos das laterais. Eles são dourados e todos possuem a logo do UFC.

Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images

Salários do UFC 234

UFC Fortaleza: confira todos os resultados

Foto: Sidney Simplício || Tudo Sobre MMA

Matéria patrocinada por:

UFC Fortaleza: confira todos os resultados 1


Ontem (02) aconteceu mais um mega evento do Ultimate em solo brasileiro. O UFC Fortaleza entrou mais uma vez na história com um ótimo card e lutas memoráveis.

Foram ao todo 13 (treze) lutas, que animou o público cearense por mais de quatro horas. A luta principal do UFC Fortaleza foi entre Marlon Morais que finalizou na revanche seu antigo algoz Rafael Assunção.

A luta co-principal foi entre o José Aldo e o Renato Moicano. Esse combate foi marcado pelo atropelo do antigo campeão dos penas que venceu por nocaute no segundo round.

Merece destaque nesse evento também a super atuação do Jhonny Walker que em poucos segundos liquidou Justin Ledet por nocaute. Além disso, o Charles do Bronx ampliou o se recorde de finalizações. Agora o brasileiro está mais isolado ainda, com 13 (treze) vitórias por nocaute.

Todos os resultado do UFC Fortaleza estão listados abaixo. Constam a forma de vitórias e o round em que acabou o combate.

UFC Fortaleza: Card Principal

Marlon Moraes  venceu por finalização Raphael Assunção no 1º round

José Aldo venceu por nocaute Renato Moicano no 2º round

Demian Maia venceu por finalização Lyman Good no 1º round

Charles do Bronx venceu por finalização David Teymur no 2º round

Johnny Walker venceu por nocaute Justin Ledet no 1º round

Livinha Souza venceu Sarah Frota por decisão dividida

UFC Fortaleza: Card Preliminar

Markus Maluko venceu por finalização Anthony Hernandez no 2º round

Mara Romero venceu Taila Santos por decisão dividida

Thiago Pitbull venceu Max Griffin por decisão dividida

Jairzinho Rozenstruick venceu por nocaute Junior Albini no 2º round

Geraldo Espartano venceu Felipe Colares por decisão unânime

Said Nurmagomedov venceu por nocaute Ricardo Ramos no 1º round

Rogério Bontorin venceu Magomed Bibulatov por decisão dividida

Matéria apoiada por:

UFC Fortaleza: confira todos os resultados 2

EXCLUSIVA: Charles do Bronx fala de sua carreira e do UFC Fortaleza

Essa matéria é um patrocínio de:

EXCLUSIVA: Charles do Bronx fala de sua carreira e do UFC Fortaleza 3

O lutador Charles do Bronx, que estará no card principal do UFC Fortaleza conversou com exclusividade com a Tudo Sobre MMA. O maior finalizador da história do UFC sem dúvida é nome de peso para mais uma edição do Ultimate no Ceará.

Em uma entrevista filmada para o nosso Canal no Youtube, trouxe vários assuntos a tona. Charles do Bronx falou de diversas coisas, como por exemplo a sua quebra e ampliação do recorde, mudança de equipe, preparação e expectativa para o UFC Fortaleza etc.

CONFIRA A ENTREVISTA COMPLETA COM CHARLES DO BRONX

Carreira de Charles do Bronx

Aos 29 anos de idade, Charles do Bronx chega ao UFC Fortaleza para tentar aumentar ainda mais o seu recorde. Com doze finalizações somente no UFC, ele enfrentará David Teymur.

Como atleta profissional de MMA, Charles do Bronx luta desde o ano de 2008 e desde então fez 34 combates. Em seu cartel constam 25 vitórias, 8 derrotas e 1 ‘No Contest’.

Esse vídeo foi apoiado por:

EXCLUSIVA: Charles do Bronx fala de sua carreira e do UFC Fortaleza 4
Confira a lista de suspensões médicas do UFC São Paulo

UFC Fortaleza x ataques criminosos

Essa matéria tem o patrocínio de:

UFC Fortaleza x ataques criminosos 5

O UFC Fortaleza chegou a ter cogitado o seu adiamento por uma série de ataques de facções em várias cidades do Estado. Os noticiários de todo o país estão com pautas sobre uma onda de ataques criminosos que aterroriza todo o Estado do Ceará. No entanto, a situação na capital Fortaleza e em suas cidades vizinhas, o clima é completamente diferente o que está sendo noticiado.

A equipe do site Tudo Sobre MMA está fazendo a cobertura do UFC Fortaleza e constatou a normalidade no ambiente da capital cearense e de cidades vizinhas, sendo louvável o alto índice de policiamento na rua, buscando o combate ao crime de maneira ostensivUFCa.

Nós conversamos com dois lutadores que estarão no card do UFC Fortaleza, para conhecer a expectativas deles para esse evento. Jhonny Walker e Charles do Bronx conversaram com exclusividade com nossa equipe.

VER VÍDEO:

VÍDEO APOIADO POR:

UFC Fortaleza x ataques criminosos 6
Confira todos os salários do UFC 232

UFC 232: Confira todos os salários do evento

O UFC 232, realizado em Los Angeles (USA), foi mais um evento que ficou para a história. E, como de praxe, após o evento, se é divulgado o valor dos salários dos atletas.

Mesmo perdendo em 51 segundos, a maior bolsa da noite foi para Cris Cyborg. A curitibana faturou US$ 540.000 (quinhentos e quarenta mil dólares), algo equivalente a aproximadamente a R$ 2.100.000 (dois milhões e cem mil reais). Já sua adversária, a campeã dos galos e penas feminino, Amanda Nunes, recebeu US$ 440.000 (quatrocentos e quarenta mil dólares), que gira em torno de R$ 1.700.000 (um milhão e setecentos mil reais).

Enquanto isso, os responsáveis pela luta principal do UFC 232 receberam a mesma bolsa. Jon Jones sagrou-se campeão novamente e faturou US$ 530.000. A mesma quantia foi paga para o sueco Alexander Gustafsson, faturamento, que se convertido, é em torno de R$ 2.050.000 (dois milhões e cinquenta mil reais).

Os salários expostos abaixo já é a somatória da bolsa para lutar, eventuais bônus para os vencedores, eventuais bônus de performances, luta da noite e patrocinadora.

Confira todos os salários do UFC 232

Jon Jones: US$ 530.000
Alexander Gustafsson: US$ 530.000

Cris Cyborg: US$ 540.000
Amanda Nunes: US$ 440.000

Carlos Condit: US$ 135.000
Michael Chiesa: US$ 106.000

Ilir Latifi: US$ 100.000
Corey Anderson: US$ 140.000

Chad Mendes: US$ 152.000
Alex Volkanovski: US$ 180.000

Andrei Arlovski: US$ 320.000
Walt Harris: US$ 82.000

Cat Zingano: US$ 55.000
Megan Anderson: US$ 63.500

Douglas D’Silva: US$ 26.000
Petr Yan: US$ 55.500

B.J. Penn: US$ 170.000
Ryan Hall: US$ 91.000

Nathaniel Wood: US$ 27.500
Andre Ewell: US$ 15.500

Uriah Hall: US$ 120.000
Bevon Lewis: US$ 15.500

Curtis Millender: US$ 39.500
Siyar Bahadurzada: US$38.000

Montel Jackson: US$ 19.500
Brian Kelleher: US$ 36.000

Foto: Brandon Magnus/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images

UFC 232 - Jon Jones nocauteia Alexander Gustafsson no terceiro round

UFC 232: Jon Jones nocauteia Alexander Gustafsson

Cinco anos depois de uma luta não tão clara para todos, Jon Jones reencontrou Alexander Gustafsson dentro do octógono. Foi na luta principal do UFC 232 que Jones vs Gustafsson II aconteceu, depois de muita polêmica e provocação.

Leia mais:
Confira todos os resultados do UFC 232
Amanda Nunes nocauteia Cris Cyborg no primeiro round

A luta com previsão de cinco rounds começou estudada, com Jon Jones tentando botar a luta para baixo, mas não conseguindo. Os chutes na altura no joelho eram conectados a todo momento por Jon Jones. Alexander Gustafsson respondia contra-golpeando de maneira similar. Os atletas se experimentavam mas nenhum desferia sequência. Jones insistia em levar a luta para o solo, mas o sueco resistia as investidas. Mesmo sendo um round de ‘reconhecimento’ Jon Jones venceu com leve vantagem.

O segundo assalto começou mais frenético. Jon Jones e Alexander Gustafsson soltaram mais o jogo, mas na envergadura, o americano levava leve vantagem. A luta foi paralisada após Gustafsson colocar o dedo no olho de Jones. Após a parada, a luta voltou mais solta e o sueco passou a caminhar mais para frente, conectando bons golpes. Jones não deixava os golpes sem respostas e com os chutes baixos atingia de maneira contundente o adversário.  O round foi novamente muito parelho, podendo ser atribuído a qualquer um deles.

Jones voltou para o terceiro round já carimbando o frontal do adversário e já nos primeiros segundos, conseguiu colar o Gustafsson de costas no solo. O sueco tentava a qualquer custo sair dessa posição,o que abriu brecha para Jon Jones dominar as suas costas. Com a posição consolidada, Jones martelou  com duros socos e cotoveladas, forçando o árbitro a interromper.

Carreira de Jon Jones e Alexander Gustafsson

Aos 31 anos de idade, o maior adversário de Jon Jones é o próprio. Um lutador tido por muito como maior de todos os tempos, vem manchando a carreira entre doping, drogas e outras polêmicas. Veio mais um vez ao octógono para fazer o que mais sabe. Como lutador profissional de MMA, Jon Jones fez 25 lutas, tendo saído como vencedor e 23 ocasiões, saiu derrotado em (1) e tem 1 ‘No Contest’.

Por outro lado, Alexander Gustafsson foi o adversário que mais deu trabalho para Jones, há quem diga que o sueco até venceu o combate no UFC 165. Também com 31 anos, Gustafsson fez 23 lutas como atleta profissional de MMA. Dessas, venceu em 18 oportunidades e foi vencido 5 vezes.

Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images

UFC 232- Amanda Nunes nocauteia Cris Cyborg no primeiro round

UFC 232: Amanda Nunes nocauteia Cris Cyborg no primeiro round

Uma das lutas mais aguardadas da noite do UFC 232, as brasileiras pararam o mundo da luta, literalmente, para serem vistas. A campeã do peso pena Cris Cyborg defendeu seu cinturão contra a também brasileira Amanda Nunes, na luta co-principal do evento.

Leia mais: Todos os resultados do UFC 232

A luta com previsão de cinco rounds começou frenética. Amanda Nunes fez frente a Cris Cyborg na trocação. Logo nos primeiros segundo de luta a trocação franca deu ritmo ao combate no co-evento do UFC 232. As mãos pesadas de Amanda Nunes minaram a curitibana.

Com duros socos conectados no frontal de Cris Cyborg, a ex-campeã sucumbiu ao poder de fogo de Amanda Nunes. A ‘Leoa’ se tornou a primeira brasileira a ser campeã simultânea em duas divisões do maior evento do mundo.

GIF de Amanda Nunes Nocauteando Cris Cyborg

Carreira de Cris Cyborg e Amanda Nunes

Aos 33 anos de idade, Cris Cyborg subiu ao octógono do UFC 232 vindo de 13 anos sem derrota. Lutando MMA desde o ano de 2005, a curitibana fez 23 lutas em sua carreira como atleta profissional. Cris Cyborg venceu em 20 ocasiões, perdeu 2 e tem um ‘No Contest’.

Já Amanda Nunes, atleta de 30 anos, chegou para esse combate no UFC 232 com uma sequência de 7 vitórias. Como lutadora profissional de MMA, a ‘Leoa’ consta em seu cartel, 21 lutas. A Baiana venceu em 17 oportunidades e em contrapartida, foi vencida em outras 4 lutas.

Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images

Anderson Silva responde declaração indignada Ronaldo Jacaré

Anderson Silva responde comentário indignado de Ronaldo Jacaré

O lutador Anderson Silva, o ‘The Spider’ não gostou dos comentários feito pelo seu ex-colega de treino Ronaldo Jacaré. De luta marcada para UFC 234, Anderson Silva se vencer deve disputar o cinturão novamente, segundo Dana White. Isso causou indignação em Jacaré, que é o terceiro do ranking e sonha com uma chance de credenciamento.

Ronaldo Jacaré disparou que Anderson Silva não seria merecedor de uma disputa de cinturão novamente por estar vindo de uma condenação por doping. Essa afirmação não foi bem digerida pelo ‘The Spider’, que foi parceiro de treinamento de Jacaré na X-GYM .

Leia também
Conor McGregor fala em enfrenar Anderson Silva
Anderson Silva responde a desafio de Conor McGregor

Anderson Silva estava em coletiva de imprensa em Los Angeles (EUA), na sua academia, quando respondeu a indagação do compatriota. O ex-campeão do UFC declarou-se surpreso com a indagação do ex-colega. Além disso, Silva relembrou que ajudou a Ronaldo Jacaré na sua entrada na academia e que sempre esteve ao seu lado.

— Confesso que fiquei um pouco surpreendido porque eu sempre dei todo o suporte pro Jacaré, inclusive quando ele chegou na academia. Eu o recebi muito bem e sempre estive do lado dele e sempre o defendi toda vez que ele lutou para que ele pudesse disputar esse cinturão. Acho que ele foi infeliz nos comentários, mas algumas coisas a gente não tem como controlar. Eu tenho controle sobre as minhas ações, sobre o que eu faço e o que eu digo. Todo mundo sabe a minha história nesse esporte e o quanto eu trabalhei duro para continuar fazendo o que eu faço. Não tenho muito o que falar sobre ele.

Carreira de Anderson Silva

Aos 43 anos de idade, Anderson Silva não luta desde fevereiro de 2017 quando derrotou o americano Derek Brunson por decisão unânime. Anteriormente, o curitibano vinha de quatro derrotas. Além disso uma luta ‘sem resultado’ contra Nate Diaz depois de ter sido flagrado em exame antidoping por uso de drostanolona e androstanolona (metabólitos de testosterona) em 2015. Seu cartel total do MMA é de 34 vitórias, 8 derrotas e 1 ‘No Contest’.

Foto: Anthony Geathers/Getty Images/AFP

Vitor Belfort anuncia retorno ao MMA em 2019

Vitor Belfort anuncia retorno ao MMA

A lenda viva Vitor Belfort, conhecido também por “The Phenom” declarou cancelado o seu anúncio de aposentadoria hoje (17). Vitor Belfort encerrou sua carreira no último UFC Rio, em Maio, após revés para Lyoto Machida. Mas alguns meses depois, o carioca que ajudou a fazer o nome do Ultimate pelo mundo disse que voltaria

Em uma conversa no podcast “Ariel Helwani’s MMA Show“, Vitor declarou ainda ser uma atleta buscando um lugar. Além disso, o veterano disse que quer ajudar os mais novos a construir melhor a carreira.

— Estou buscando um lugar onde eu possa agregar valor. Eu vejo que precisamos de uma mudança. Sou lutador e sou um atleta, quero um lugar onde eu possa ser um lutador e um atleta. Quero poder ajudar essa geração nova a ser mais bem sucedidos – contou Belfort.

Leia também
Ultimate confirma José Aldo x Renato Moicano para o UFC Fortaleza
Dominick Cruz sofre lesão e deixa luta contra Lineker
Após revés no UFC 231, Brian Ortega tem suspensão médica de 6 meses

O carioca também revelou que cancelou sua aposentadoria. Vitor Belfort disse que irá voltar a lutar MMA profissionalmente no ano de 2019. O lutador brasileiro não deu declaração de onde iria lutar, apenas contou que estava em negociação para o próximo ano.

— Toda história tem início, meio e fim, mas toda história tem um segundo (ato). Vou continuar (lutando), não vou parar. Esta é a palavra, está certo. Tenho passe livre. Estamos em negociações. Em 2019 eu volto. – Declarou ‘The Phenom’.

Carreira de Vitor Belfort

Aos 41 anos de idade, a sua última luta, até então como profissional, foi no UFC 224, onde foi nocauteado por outro brasileiro. Luta MMA desde 1996 e está no UFC desde a 12ª edição do evento, projetando seu nome para o mundo com inúmeros nocautes. Em seu cartel como lutador profissional de MMA, Vitor Belfort fez ao todo 41 lutas. De todos esses combates, o carioca teve seu braço levantado em 26 ocasiões, amargou 14 derrotas e um ‘no contest’.

Foto: Buda Mendes/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images