Tag: artes marciais

Incidente de Conor McGregor faz ser excluídas três lutas do UFC 223

Conor McGregor alerta sobre o Coronavírus

O irlandês Conor McGregor usou suas redes sociais para alertar a população irlandesa da importância de manter-se firma na quarentena. Foi hoje (21), que o lutador do UFC usou suas redes sociais para se manifestar sobre a pandemia que amedronta o planeta.

Já são mais de dez mil mortos pelo mundo causado pelo virus COVID-19 e, ter pessoas públicas reforçando as recomendações da Organização Mundial da Saúde é de grande importância.

Ouça nosso podcast: Spotify | Deezer | Itunes

Leia também:

Paulo Borrachinha debocha do Coronavírus

MMA x Coronavírus: últimas atualizações

Mensagem de Conor McGregor

– “Lembrete rápido para permanecer vigilante com nosso esforço da quarentena, equipe da Irlanda!

Vimos uma queda nos últimos 3 dias no número de infectados. De 191 casos na quinta-feira, 19 de março (nosso dia mais pesado até o momento) até uma leve diminuição de 126 no dia seguinte, sexta-feira 20 de março. Até hoje, sábado, 21 de março, um número total de 102 novos casos.
Estas são gotas encorajadoras a cada dia que passamos, ainda estamos acima de 100 por dia.

Como hoje é sábado e o pico de nosso fim de semana, mais o fato de termos recebido números mais baixos a cada dia, todos nos sentiremos tentados a sair e voltar a viver nossas vidas novamente. Mas agora é a hora de permanecermos mais vigilantes! Permaneça mais vigilante e coloque-se totalmente na cama. Caso contrário, corremos o risco de girar em círculos com esses números até atingirem um pico que não podemos conter.

Fique firme na Irlanda! Nós vamos fazer isso! Juntos em unidade!
Deus acelere a todos ao redor do mundo lutando contra esse vírus. Lutamos lado a lado!  O trabalho em equipe faz o sonho funcionar, Deus abençoe!” – Escreveu o lutador Conor McGregor em suas redes sociais.

Conor não tem nenhuma luta marcada até o presente momento. Sua última luta foi em Janeiro, no evento de número 246, onde venceu por nocaute Donald Cerrone.

UFC BRASÍLIA: Charles do Bronx finalizou Kelvin Lee

Sob muita dúvidas do acontecimento do evento, Kelvin Lee e Charles do Bronx subiram ao octógono mais famoso do mundo. Eles foram as estrelas principais de mais um histórico evento em solo brasileiro, mais precisamente em Brasília – DF.

Ouça nosso podcast: Spotify | Deezer | Itunes
Leia também:

– Confira todos os salários do UFC 247

– Conheça os materiais do cinturão do UFC

A luta começou eletrizante com o Charles do Bronx tomando mais iniciativa do combate, mas Kelvin Lee não se deixou intimidar e contra-golpeou a altura. A luta foi para o solo, Kelvin Lee caiu por cima mas o Charles era quem tomava mais iniciativa, variou na tentativa de várias finalizações e o Lee só se defendia. O volume de jogo do brasileiro lhe deram margem para vencer o primeiro round.

O segundo assalto voltou numa proposta diferente e o brasileiro foi para a trocação franca com o Kelvin Lee. O Charles do Bronx ditou o ritmo da trocação, abriu margem, forçando o Lee a aplicar a queda, o brasileiro quase finalizou por duas vezes, mas não conseguiu. A luta amornou com o Kelvin Lee trabalhando por cima, o último minuto foi mais movimentado e o Charles levou mais um round.

O terceirou round começou com o Kelvin Lee tomando a iniciativa e conectando bons golpes. Em uma tentativa de queda o Charles do Bronx encaixou a guilhotina, forçando o Lee a bater em sinal de desistência.

Carreira de Kelvin Lee e Charles do Bronx

Com 27 anos de idade, o atual oitavo colocado do ranking dos leves, luta como profissional de MMA desde o ano de 2012. Em seu cartel, possui 24 combates, tendo vencido em 19 oportunidades e amargado 5 derrotas.

Atualmente com 30 anos e chegando em Brasília com uma sequência de seis vitórias, o atual decimo terceiro do ranking dos leves chegou para o evento para fazer sua luta de número 38. Lutando profissionalmente desde 2008, tem em seu cartel 28 vitórias, 9 derrotas e 1 ‘no contest’

UFC BRASÍLIA: Gilbert Durinho nocauteia Demian Maia

A luta co-principal do UFC Brasília, com os portões fechados, foi um duelo de brasileiros. Demian Maia e Gilbert Durinho travaram um duelo válido pelo peso meio-médio.

Ouça nosso podcast: Spotify | Deezer | Itunes
Leia também:

– 8 lutadores são demitidos do UFC

– Confira todos os salários do UFC 247

Dois feras do jiu-jitsu, não surpreenderam e a luta começou no solo. Demian Maia chegou a ganhar as costas mas o Gilbert Durinho, conseguiu fugir daquela situação e trazer a luta para a trocação.

Em pé, a história foi outra, Gilbert Durinho acertou um bom soco, de

Carreira de Demian Maia x Gilbert Durinho

Aos 42 anos de idade, o veterano casca-grossa do jiu-jitsu chegou ao UFC Brasília com uma sequência de três vitórias. Demian Maia luta como profissional de MMA desde 2001 e tem no seu vasto cartel 38 combates, tendo vencido 28 vezes e amargado 10 derrotas.

Com 33 anos de idade, durinho também chegou ao UFC Brasília vindo de uma boa sequência. Nesse caso, ele vinha de quatro vitórias. Lutando como profissional desde 2012, tem 21 lutas em seu cartal, vencendo 18 e perdendo as outras 3.

UFC Brasília: Nikita Krylov vence Johnny Walker

A segunda luta do card principal do UFC Brasília foi o duelo entre Nikita Krylov e o brasileiro Johnny Walker. Dois grandes atletas que chegaram a capinal do Brasil vindo de derrota e querendo reverter esse cenário a qualquer custo.

Ouça nosso podcast: Spotify | Deezer | Itunes
Leia também:

– 8 lutadores são demitidos do UFC

– Confira todos os salários do UFC 247

A luta começou a todo vapor e amarrada na grade, com ambos fazendo muita força para ficar na melhor posição. Jhonny Walker soltou boas cotoveladas na cabeça do Nikita Krylov, mas foi levado ao solo e ficou trabalhando por cima com o brasileiro fazendo muita força para sair da posição. A luta chegou a ficar de pé, a trocação franca deu as caras mas o brasileiro ainda assim levou a pior, já apresentando cansaço, o round chegou ao fim e o Krylov venceu.

O segundo round voltou na mesma proposta, a luta se travou na grade, o Johnny Walker foi derrubado e amassado por cima, minando ainda mais o gás do brasileiro. No minuto final, o Johnny Walker apareceu na luta, raspou e martelou o Nikita Krylov, mas isso não foi o suficiente para reverter e Nikita foi muito mais efetivo na sua proposta de jogo e levou mais um round.

Para o terceiro e último round o brasileiro voltou melhor e na luta de solo ficou por cima. Essa vantagem foi revertida no segundo minuto de luta e o Nikita Krylov voltou a amarrar a luta por cima. Até o final se repetiu mais do mesmo e a luta foi para decisão.

Na soma das papeletas do árbitros laterais, o Nikita Krylov teve seu braço erguido por decisão unânime

Carreira do Nikita Krylov e Johnny Walker

O ucraniano de 28 anos, luta MMA profissionalmente desde o ano de 2012. Como atleta de MMA tem em seu cartel 33 lutas, tendo saído como vencedor um total de 25 vezes e, amargando 7 derrotas até o momento.

Já o brasileiro, chegou ao UFC Brasília com 27 anos de idade após ressente polêmica com seu antigo treinador. Luta MMA profissionalmente desde o ano de 2013, e de lá para cá fez 22 lutas, tendo vencido em 17 oportunidades e perdido nas outras 4.

Massaranduba vence Jim Miller por decisão unânime

UFC Brasília: Trinaldo Massaranduba vence John Makdessi

Com portões fechados e até sem a imprensa presente, John Makdessi e Francisco Trinaldo Massaranduba fizeram a luta de abertura do card principal do UFC Brasília, válida pelo peso leve.

Ouça nosso podcast: Spotify | Deezer | Itunes
Leia também:

– 8 lutadores são demitidos do UFC

– Confira todos os salários do UFC 247

O primeiro round começou estudado, mas o brasileiro ditava mais o ritmo do combate. Trinaldo Massaranduba era mais agressivo e contundente, já mostrando ao John Makdessi a que veio. A luta seguiu em pé e o Makdessi soltou mais o jogo, contragolpeando, mas o brasileiro ainda foi melhor nesse assalto, abrindo vantagem na contagem.

O segundo assalto voltou na mesma pegada, com o brasileiro se impondo. A combinação de chutes e socos, contribuiram para o Trinaldo Massaranduba abrir nova margem, apresentando mais volume de jogo e, mesmo sendo contra-golpeado pelo John Makdessi foi derrotado em mais um round.

Para o terceiro e ultimo round o Trinaldo Massaranduba seguiu na mesma pegada, ditando o ritmo do jogo do início ao fim, conectando os melhores golpes abrindo uma vantagem tranquila em mais um round.

Na soma das papeletas dos árbitros laterais, seguiu o obvio e Trinaldo Massaranduba venceu por decisão unânime.

Carreira de John Makdessi e Francisco Trinaldo Massaranduba

Aos 34 anos de idade o canadense John Makdessi chegou ao UFC Brasília com uma sequência de três vitórias consecutivas. Lutando MMA profissionalmente desde o ano de 2008, até então fez 24 combates, tendo vencido em 17 oportunidades e perdido as outras 7.

Enquanto isso, o brasileiro Trinaldo Massaranduba, com 41 anos de idade, não vive a melhor fase da carreira e oscila entre uma derrota e uma vitória desde 2017, quando Kelvin Lee interrompeu sua sequência de sete vitórias. Lutando MMA profissionalmente desde 2006, Massaranduba fez o seu combate de número 32, tendo vencido em 25 oportunidades e perdido outras 7.

Coronavírus no UFC Brasília

Podcast #10: Coronavírus e palpites para UFC Brasília

Em um episódio extraordinário do nosso podcast, o Tudo Sobre MMA, que têm dois jornalistas apurando os detalhes dos bastidores do UFC Brasília, conversaram sobre os efeitos causado pelo Coronavírus nesse evento que será realizado sábado (14) na capital do Brasil.

O âncora Tarcio Martins, mediou um boa papo com Paulo Nascimento e Edison Ramos que estão em brasília em contato direto com os fatos e com o psicologo Robson Rocha, que já é figurinha carimbada nos nosso podcasts.

Site: www.tudosobremma.com

Facebook: Tudo Sobre MMA

Twitter: @TudosobreMMA_

Instagram : @TudoSobreMMA

Podcast: Spotify | Deezer | Itunes

OUÇA O PODCAST: Coronavírus e palpites para UFC Brasília
O UFC BRASÍLIA VAI ACONTECER DE PORTÕES FECHADO

UFC Brasília será com portões fechados

UFC Brasília será com portões fechados 8

O UFC Brasília, marcado para acontecer no ginásio Nilson Nelson, na capital brasileira no dia 14 de março, estava ameaçado depois que o governador da cidade, Ibaneis Rocha, declarou proibir todas as grandes reuniões após a notícia de um surto de coronavírus na cidade.

Isso resultou na proibição de cultos religiosos, shows, aulas nas escolas, eventos esportivos e qualquer reunião pública ou evento envolvendo mais de 100 pessoas.

Ouça nosso podcast: Spotify | Deezer | Itunes
Leia também:

– 8 lutadores são demitidos do UFC

– Confira todos os salários do UFC 247

Mas de acordo com o Globo.com, o UFC Brasilia (on ESPN + 28) vai acontecer. A empresa que administra a Arena BSB, disse ao site que o evento ocorrerá conforme planejado, mas sem fãs nas arquibancadas.

O UFC ainda não fez um anúncio oficial sobre o destino do evento deste sábado (14) ou o destino de qualquer uma das próximas edições da organização. No final deste mês, o UFC Ohio (on ESPN 8) está programado para acontecer em Columbus, Ohio, mas houve discussões nesse estado sobre como grandes eventos serão tratados após a disseminação do coronavírus.

Card do UFC Brasília é afetado pelo Coronavírus

O UFC não está sozinho nessa jornada de realizar um evento sem fãs. Outras organizações de MMA já fizeram o mesmo, como no caso do One Fighting Championship. O Bellator pode seguir o mesmo caminho nas suas próximas edições, já que os Estados Unidos é palco principal de seus eventos.

O Midia day dessa quinta-feira (12) foi cancelado, e de acordo com essa logica acreditamos que possa ser cancelada a pesagem ceremonial. As pesagens oficiais de manhã cedo na sexta-feira são as únicas obrigações oficiais dos lutadores.

O evento será liderado pelos pesos leves Kevin Lee (18-5 MMA, 11-5 UFC) e Charles Oliveira (28-8 MMA, 16-8 UFC), tera um duelo entre os médios brasileiros Gilbert Burns (17- 3 MMA, 10-3 UFC) e Demian Maia (28-9 MMA, 22-9 UFC), co-evento.


A programação do UFC Brasilia on ESPN + 28 inclui:
CARD PRINCIPAL (UFC Brasilia, inicio às 21h)

Kevin Oliveira x Charles Oliveira
Demian Maia vs Gilbert Burns
Renato Moicano vs Damir Hadzovic
Nikita Krylov x Johnny Walker
John Makdessi x Francisco Trinaldo

CARTÃO PRELIMINAR (UFC Brasilia: 18h)

Brandon Moreno vs Jussier Formiga
Amanda Ribas vs Randa Markos
Aleksei Kunchenko x Elizeu Zaleski dos Santos
Enrique Barzola vs. Rani Yahya
Mayra Bueno Silva vs Maryna Moroz
Bruno Silva vs David Dvorak
Bea Malecki vs Veronica Macedo

UFC Brasília será com portões fechados 9
Por que o UFC usa um octógono

Por que o UFC usa um octógono?

Você já parou para pensar: “por que o UFC usa um octógono como campo de combate?” foi pensando nisso que embarcamos numa pesquisa sobre o motivo da maior organização de MMA do mundo contrariar todos os padrões e inovar até no seu espaço de luta.

A história do octógono do UFC é inconclusiva, possuindo algumas versões e situações vagas no meio do caminho. O que é fato é que a única coisa que o Rorion Gracie não queria, era que o UFC adotasse o ringue de boxe, pois acreditava fielmente que o seu formato desfavorecia o jogo de solo, dificultando o jiu-jitsu, tento em vista a possibilidade de saída pelas laterais ou apoio das cordas para evitar as quedas.

Era preciso então, encontrar um meio termo, desenvolver um campo de luta para não favorecer nenhum atleta e, ainda se pensar no conforto e proteção dos cameraman’s que estariam ali perto do combate. Foi quando os desenvolvedores do projeto propuseram a ideia da criação de um octógono para ser o palco das lutas daquela que se tornaria a maior organização de MMA do mundo.

Por que o UFC usa um octógono:

O octógono mais famoso do mundo foi projetado por Jason Cusson e Greg Harrison, inspirados em um dos filmes de Chuck Norris. Mas dizem que antes de chegar-se a um consenso da estrutura octogonal, foi proposto pelo cineasta John Milius conhecido pelo filme “Conan, o Bárbaro”, outros estilos extremamente bizarros. Um de formato circular, com painéis eletrificados, para dar choque nos atletas que encostarem na grade, dando um ótimo incentivo para a luta não ser amarrada na grade, e provocar consequentemente o desenrolar da luta no centro. E o outro formato, ainda mais bizarro, é o tatame ilhado por uma água com tubarões ou piranhas, mas óbvio que isso não daria muito certo.

O octógono foi escolhido por ser um campo neutro, onde nenhuma modalidade de artes marciais seria favorecida em detrimento do seu formato. Seus ângulos abertos dificultam que o lutador, mesmo em desvantagem, se encontre encurralado. E, além de tudo isso, quebra os moldes de qualquer especialidade dos atletas, como por exemplo, o formato quadrado dos ringues de boxe, ou os formatos redondos utilizados no Wrestling etc. Vale ressaltar que o octógono é utilizado desde o histórico UFC 1, não sofrendo alterações em seu formato até dos dias atuais.

Independente dos tramites da realização do projeto até a montagem da última peça do octógono, este formato foi patenteado pelo Ultimate no ano de 1997, sendo marca registrada da empresa, não podendo ser utilizado por outras organizações.

Segundo dados divulgados pela própria organização, o octógono do UFC possui pouco mais de nove metros de diâmetro na área de luta, totalizando cerca de sessenta metros² para os atletas trabalharem as suas principais especialidades. A altura da sua cerca é de um metro e oitenta centímetros. E a lona que cobre o solo do octógono é texturizada e pintada a mãos, sendo utilizada apenas uma única vez.

Você conhece alguma outra versão sobre o motivo do UFC utilizar o octógono em seus eventos? Conta pra gente.

[VÍDEO] O polêmico acordo entre o UFC e a Reebok

Desde os primórdios do UFC, os lutadores enchiam suas camisas, calções e banner’s com várias logos de empresas dos mais variados ramos. Era um jeito de fazer uma boa renda extra, faturamento que poderia superar até mesmo a bolsa paga pelo Ultimate, mas isso mudou em 2015, quando foi assinado o polêmico acordo entre o UFC e a Reebok causando protestos e represálias nos bastidores da maior organização de MMA do mundo.

Quando mais badalado o atleta, mais empresas eram estampadas em seus trajes de luta. Muito dinheiro deixou de ser ganhado por lutadores, pelo fato destes agora serem obrigados a usarem apenas os produtos da Reebok, que pega uma quantia simbólica, perto do faturamento anterior dos atletas.

Quanto a Reebok pagou ao UFC para essa exclusividade, não foi divulgado. Porém o pagamento da empresa aos atletas foi divulgado e funciona como uma espécie de tabela. Quanto mais lutas se tem dentro da organização, mais se recebe e o desafiante e o campeão recebem adicionais, sendo o teto desse pagamento, a quantia de quarenta mil dólares, o que é ainda, menos da metade do que alguns lutadores conseguiam.

Quem tem entre uma e três lutas, recebe U$3.500. Quem tem entre quatro e dez lutas, fatura U$S 5.000. Os que tem entre 11 e 15 combates, recebem US$ 10.000. Já os atletas que atuaram entre 16 e 20 vezes no UFC, recebem US$ 15.000. Os com 21 lutas ou mais, recebem US$ 20.000. Os campeões e seus desafiantes recebem US$ 40.000 e US$ 30.000, respectivamente.

Esse pagamento ainda traz exigências: Quatro dias de promoções de mídia antecipadas; Seis horas de promoção na semana de luta e; uma hora de promoção após a luta. Além disso, os atletas que fizerem a luta principal ou a co-principal deverá permitir filmagens do UFC oito dias antes dos combates.

O Ultimate ainda pode cobrar dois dias de publicidade com oito horas cada, desses lutadores individualmente. Com isso, todos os atletas e equipes estariam uniformizados. Tudo dentro do padrão e estampando somente a marca da Reebok.

Isso atingiu também os patrocinadores que tinham suas marcas expostas nos octógonos e outros funcionários da empresa que não poderiam mais estampar seus patrocinadores nos eventos do UFC.

Explicação sobre a parceria do UFC e a Reebok

Essa uniformização obrigatória fez várias pessoas protestarem sobre o acordo entre o UFC e a Reebok, e estes sofreram represálias imediatas. Como por exemplo o Cutman, personagem lendário do Ultimate, Stitch Duran, que passou 14 anos trabalhando na organização.

Ele criticou o acordo por ser também atingindo por este em uma entrevista, uma vez que não poderia usar seu traje de trabalho com as marcas de seus patrocinadores, logo após foi demitido.

O veterano Tim Kennedy também veio a público mostrar sua indignação com o acordo. Frases como: “Onde o esporte está agora e horrível, trágico e patético” e “eu ganhei muito mais dinheiro com patrocínio no StrikeForce”, foram disparadas pelo agora, ex-lutador.

Entre os brasileiros, as declarações que mais repercutiram foi a de Vitor Belfort e de Fabrício Werdum. Na época Vítor disparou: “Alguém vai aparecer no meu uniforme e eles não vão me pagar mensalmente? É justo? Eu tenho uma carreira de 19 anos. Eu não acho que é justo”.

Mas sem dúvidas o protesto que mais gerou repercussão foi o do “Vai Cavalo”. O gaúcho editou uma foto com o uniforme da Reebok, removendo a logo da empresa e colando uma da sua concorrente por cima.

O lutador declarou que estava protestando pois não achava justo depois de vários anos de carreira, tendo chegado a ganhar cento e oitenta mil dólares de patrocínio, passar a ganhar cinco mil. Depois disso, o brasileiro foi imediatamente desligado da Fox Mexicana, emissora na qual trabalhava há 3 anos como comentarista dos eventos do UFC.

Passado esse momento turbulento, as críticas públicas tiveram fim. Seria uma satisfação ou medo de também sofrer represálias? Disso não sabemos, mas o que ninguém pode negar é que após isso, muitos atletas migraram para o Bellator, um dos principais concorrentes do UFC.

A parceria da UFC e a Reebok poderá durar por muito tempo. Qual a opinião de vocês sobre isso? É melhor as equipes uniformizadas como está ou o modelo antigo era mais legal?

Cinturão do UFC

[VÍDEO] Conheça os materiais do cinturão do UFC

O objeto de maior desejo de qualquer atleta de MMA, é o tão sonhado cinturão. Ser o detentor do cinturão de uma divisão é o auge da carreira de um lutador. É a representação que enquanto ele ostentar aquele “troféu” ele será o maior nome da sua categoria na atualidade.

O desejo de alcançar o cinturão fica cada vez maior de acordo com a notoriedade de cada organização de artes marciais mistas. Para muitos, o maior evento de MMA do mundo é o UFC, que lançou recentemente, no início de 2019, o UFC Legacy Championship Belt, que substituiu o UFC Classic Championship Belt, usado desde
2001.

O UFC Legacy Championship Belt, quando anunciado, provocou estranheza por uns, que preferiam a antiga versão. Mas é fato que esta cinta veio para ficar e para marcar uma nova era dentro das Artes Marciais.

O primeiro lutador a receber o novo cinturão foi o Henry Cejudo, após atropelar o TJ Dillashaw. Viu então, em sua cintura, o cinturão que tem vários significados e muito valor.

A final de contas, quais os materiais e os significados encontrados nesse cinturão? O Tudo Sobre MMA responde.
Vídeo detalhando os materiais do cinturão

Segundo informações divulgadas pela própria organização, o novo cinturão é customizado de acordo com cada campeão e com cada categoria. Todo cinturão tem um número de série e a assinatura do Presidente Dana White cravada, para atestar a sua autenticidade.

Além disso, suas medidas são 1 metro e 27 centímetros de comprimento e 30 centímetros de altura, trabalhado com a tira de couro legítimo. No seu centro tem um octógono em alto relevo feito de ouro altamente polido com a logo do UFC em destaque, e ainda inclui um octógono e alguns quadrados. Nesse octógono há 25 linhas, que representam os anos de existência do Ultimate até 2018 e nos quadrados há 8 linhas que representam o número de lados do octógono. Também pode-se observar oito bandeiras, elas representam as nacionalidades dois oito primeiros campeões do UFC.

Dentro do octógono central, ainda tem 25 pedras, que também representam os anos de existência da organização.
Abaixo do nome “Champion”, há cravado no cinturão em números romanos MCMXCIII (1993) , que é o ano de criação do UFC.

Nas duas laterais, também há octógonos em alto relevo, ambos de ouro e com a logo do UFC. No octógono da esquerda ainda constará o nome, categoria e país do atual campeão, sendo rodeada de 8 pedras, que terá uma pedra vermelha para cada vitória como campeão. Enquanto no Octógono da direita está a logo de campeão também rodeada de 8 pedras, onde se dará continuidade a contagem de vitórias como campeão, caso preencha todas as pedras do outro octógono.

Por último, cabe ainda destacas os botões localizados após os octógonos das laterais. Eles são dourados e todos possuem a logo do UFC.

Foto: Jeff Bottari/Zuffa LLC/Zuffa LLC via Getty Images

Dana White critica brasileiro Johnny Walker após derrota no UFC 244

Vídeo: Dana White manda recado para Johnny Walker

O jeito irreverente de lutar de Johnny Walker lhe rendeu uma dura crítica do Mandachuva do UFC, Dana White. O brasileiro chegou chamando atenção, com três lutas e três nocautes no primeiro round. No entanto, nem tudo são flores e, foi frente a Corey Anderson que provou do próprio veneno.

Em outras palavras, Walker foi nocauteado ainda no primeiro round no UFC 244 e, certamente, irritou seu patrão. O presidente Dana White não poupou o atleta e o criticou publicamente. Para o cartola, a irreverencia de Johnny Walker pode ter lhe custado caro. Além disso, declarou que a maior organização de MMA do mundo, não tem espaço para brincadeiras.

Leia também

— Jon Jones provoca Johnny Walker após derrota: “Já era meu presente de Natal”
— UFC 244: Jorge Masvidal vence Nate Diaz por nocaute

— Não se brinca nesse esporte, muito menos aqui no UFC. – Disparou o Dana White, se referindo a postura do lutador brasileiro dentro do octógono.

Como bom funcionário, o Walker não declarou nada sobre a crítica do chefe. O lutador usou suas redes sociais após a luta apenas para esclarecer uma polêmica levantada nos bastidores. Pois surgiu um rumor que o brasileiro provocou seu oponente no vestiário, mas foi prontamente negada a informação.

VÍDEO: Confira a luta que fez Dana White criticar Johnny Walker:

A luta foi encerrada aos 2 minutos e 7 segundos. A grande atuação de Corey Anderson lhe rendeu a bonificação de performance da noite. Ou seja, além da sua bolsa pela luta, prêmio pela vitória, ainda faturou U$ 50.000 (cinquenta mil dólares). Se convertida para o Real, a quantia de bônus arrecadada por Corey Anderson é em torno de R$ 200.000 (duzentos mil reais).

UFC 244: Jorge Masvidal vence Nate Diaz

UFC 244: Jorge Masvidal vence Nate Diaz por nocaute

Pela primeira vez no UFC houve a disputa do lutador mais casca-grossa. Jorge Masvidal e Nate Diaz  disputaram o cinturão esse que será entregue pelo ator americano Dwayne “the Rock” Johnson, conhecido pelo enorme carisma e por ser uma montanha de músculos.

A luta mais aguardada da noite começou a todo vapor. A agressividade de Jorge Masvidal lhe rendeu a sequência de bons socos e um chute certeiro na cabeça, fazendo Nate Diaz ir ao solo. Masvidal ficou trabalhando por cima e consequentemente abriu boa margem de pontos.  A luta voltou para o centro do tablado e o Diaz soltou seu jogo em pé mas logo foi rechaçado por Jorge Masvidal, que provocou o último minuto, dando show e garantindo o round.

Leia também: Análise sobre o UFC 244

Nate Diaz voltou para o segundo round novamente partindo para cima. A trocação franca foi ganhando ritmo, com Jorge Masvidal ainda conectando os melhores golpes. Após um chute na linha da cintura o Diaz foi a solo novamente mas o Masvidal deu espaço para ele levantar-se em seguida. A trocação insana continuava frenética com Mavidal sendo superior. Nos últimos segundo a luta foi para o solo, Diaz tentou encaixar uma chave de calcanhar mas foi frustrado e Jorge Masvidal venceu novamente.

Para o terceiro assalto, o ritmo amornou, mas era o Diaz que continuava caminhando para frente, mas o Masvidal logo marcava o frontal do oponente com duros socos. A trocação franca levantava o público, o Nate Diaz mesmo com pouca visão ainda era preciso, assim como seu oponente. Novamente no último minuto a luta foi para o solo. Nate de costas no chão tentava se defender, atacar e procurar brechas para finalizar. Enquanto isso, Masvidal martelava por cima. O round foi mais parelho que os outros, mas ainda o Jorge Masvidal venceu.

A luta foi para o intervalo e um médico ao avaliar o estado do Nate Diaz, determinou o encerramento da luta. Portanto, Jorge Masvidal venceu por nocaute técnico, e ganhou o cinturão de lutador casca-grossa do UFC.

Carreiras de  Jorge Masvidal e Nate Diaz :

Jorge Masvidal que sempre foi um lutador bastante inconstante, porém com seus 34 anos e uma carreira com 48 lutas oficiais (35-13) vive a sua melhor fase. Certamente Masvidal vem vivendo algo inédito em sua carreira.

Já o Nate Diaz já é um cara mais acostumado com os holofotes, também com 34 anos possui 32 lutas profissionais (20-12) e vem de uma sequência instável de lutas, com 3-3 em suas últimas 6 lutas.

Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC/Zuffa LLC

UFC 244: Daren Till vence Kelvin Gastelum

UFC 244: Daren Till vence Kelvin Gastelum

Ambos lutadores vindo de derrota buscam nesse UFC reencontrar o caminho da vitória. No caso do Daren Till houve também uma mudança de categoria, subindo para os médios. Ou seja, o co-evento principal ganha um aperitivo extra, pois os dois precisam reencontrar o caminha das vitórias.

A luta começou movimentada, o Daren Till tentou grudar na grade, mas Kelvin Gastelum conseguiu se desvencilhar. O combate então voltou para o centro do octógono, mas os atletas poucos se testaram. Gastelum levou novamente a luta para grade, onde alternou a posição de dominância algumas vezes. O Gastelum trabalhou boas joelhadas e socos na linha de cintura, o que deu mais vantagem para ele. A luta retornou para o centro do octógono e o ritmo caiu consideravelmente, o Till achou a distância e mesmo ambos pouco se provando foi melhor no final do round. O assalto foi parelho, podendoo ser dado a qualquer um.

O segundo assalto voltou bem mais frenético. Daren Till achou mais a distância e soltou bons golpes. Gastelum atacava mas o Till contra-golpeava com mais efetividade. Na segunda metade do round o combate ficou mais morno. A trocação acontecia, mas nenhum dos atletas soltava a sequência. Em mais um round parelho, enxergamos leve vantagem para Till.

Para o terceiro e último round, a luta voltou na mesma proposta. Com a distância longa confortável,  Daren Till golpeava e saia do raio de ação do Kelvin Gastelum, que se via forçado a encurtar a distância para atacar. Na segunda metade do último assalto, o Gastelum foi melhor, mas não foi o suficiente.

A luta foi para a soma das papeletas dos árbitros laterais e o Daren Till teve se braço erguido por decisão dividida.

Leia também: Análise sobre o UFC 244
Carreiras de Daren Till e Kelvin Gastelum:

Aos 27 anos de idade, Kelvin Gastelum voltou ao octógono do UFC após revés frente ao campeão Israel Adesanya e perdeu novamente. Como lutador profissional de MMA, Gastelum possui 21 combates registrados em seu cartel. Ao todo, foram 15 vitórias, 5 derrotas e 1 ‘no contest’.

Aos 26 anos de idade e vindo de duas derrotas seguidas, Daren Till certamente subiu mais pressionado no campo de batalha, mas parece que não sentiu a pressão. Till também possui 21 combates registrados em seu cartel, sendo 18 vitórias, 2 derrotas e um empate.

Foto: Dean Mouhtaropoulos/Getty Images

UFC 244: Stephen Thompson derrota Vicente Luque

UFC 244: Stephen Thompson derrota Vicente Luque

Em sua maior luta da carreira, o brasileiro Vicente Luque encara o norte americano Stephen Thompson.  Luque foi o último brasileiro a subir no octógono do UFC 244, na terceira luta mais esperada da noite.

O combate começou bastante estudado, com o brasileiro tomando iniciativa com dois chutes baixos, que logo foi respondido. A movimentação era intensa, com o Stephen Thompson com seu jogo de contra-golpe tradicional. Ou seja, ficava para Vicente Luque a responsabilidade de atacar, e assim fez. tomou mais iniciativa e encontrou o frontal do americano com bons socos. O americano reagiu no final do round, mas a intensidade e contundência do brasileiro foi maior, o que lhe deu o primeiro round.

Leia também: Análise sobre o UFC 244

O segundo assalto voltou em um ritmo mais acelerado e o Stephen Thompson mostrou mais agressividade logo de início. O brasileiro reagia, mas a combinação de duros socos e chutes altos foram dando boa margem para a vitória desse assalto para o Americano. Vicente Luque conseguiu sobreviver, mesmo muito machucado.

Para o terceiro e último round, na nossa expectativa a luta estava empatada. Sendo assim, ambos ainda precisavam mostrar serviço. Stephen Thompson mostrou que encontrou a distância e voltou com a mesma pegada. A combinação de golpes novamente abriu grande margem no round.

Na soma das papeletas dos árbitros laterais, foi confirmada a vitória por decisão unânime do lutador americano.

Carreiras de Vicente Luque e Stephen Thompson:

Aos 27 anos de idade e vinha sonhando com o top 5 do Ultimate, Vicente Luque chegou no UFC 244 embalado por seis vitórias consecutivas, mas não conseguiu manter a sequência. Como lutador de MMA profissional, consta na sua em seu cartel 25 lutas, tendo vencido 17 vezes, sido derrotado em 7 ocasiões e 1 empate.

Em um cenário oposto, Stephen Thompson veio para o UFC 244 para tentar se recuperar de duas derrotas consecutivas e conseguiu. Com 36 anos de idade, Thompson já fez 20 lutas como atleta de MMA, tendo vencido 15, perdido 4 e 1 empate.

Foto: Mike Stobe/Getty Images

Whindersson Nunes estreará no boxe

Matéria patrocinada por:
Matéria patrocinada por:

Campeão na superação e no humor, Whindersson Nunes fará sua estreia como lutador de boxe no próximo sábado (28). Um verdadeiro sucesso das redes sociais, passou a praticar artes marciais para perder peso, mas acabou se apaixonando.

A luta foi anunciada por meio da conta do Instagram do próprio evento, que é o New Champion. Essa é a segunda edição desse evento e já chegou com uma grande jogada de marketing. O anuncio do combate em Whindersson x Mário foi feito ha cerca de duas semanas. O evento conterá tanto lutas de MMA, quanto de outras modalidades.

Whindersson Nunes, mesmo com toda sua agenda corrida, está sempre que pode na Capital da Luta. O humorista treina com lutadores de MMA profissional, inclusive o ex-UFC e atual Brave, Lucas Mineiro. Em outras palavras, por mais que seja sua estreia, ele não chega no evento de paraquedas.

O digital influencer sempre faz publicações dos seus pré e pós treinos nas suas redes sociais, com muito bom humor por exemplo um com o ídolo brasileiro, Anderson Silva.

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Whindersson Nunes (@whinderssonnunes) em

Outros cenas de irreverência podem ser vistas facilmente em uma rápida analisada no feed do humorista. Além disso, próprio lutador fez um vídeo para confirmar a sua participação no evento como atleta.